MIT Massachusetts Institute of Technology

Blossoms no Futura e o desafio da educação brasileira

November 10, 2014

 Por Lúcia Araújo, diretora do Canal Futura

O ensino médio e a formação de professores são dois dos principais gargalos da educação brasileira. Há um déficit na produção de conteúdo de qualidade, além do desafio de garantir uma metodologia e um ambiente apropriados para o aprendizado. É preciso investir nos educadores, mobilizá-los e extrapolar os limites da sala de aula, proporcionando também aos alunos acesso à cultura, ao esporte, à ciência, à tecnologia.

Em sintonia com essa lógica de formação para a vida, o Futura assumiu, há 17 anos, o compromisso de contribuir com a educação brasileira. Nosso jeito de fazer TV vivencia o ambiente educativo como uma “escola sem muros”. Nossas ações estão na tela e além dela. Atuamos, por exemplo, por meio das Salas Futura, espaços instalados em comunidades, onde os conteúdos do Canal estão disponíveis gratuitamente para a população; das Maletas Futura, materiais didáticos e multimídias produzidos graças a uma extensa rede formada por diferentes atores sociais; e dos grupos focais do Conselho de Educadores, que avalia a nossa programação, dentre outras contribuições.

O modelo de atuação do Futura é fundamentado em parcerias, no diálogo e na pluralidade de visões. E são essas características que nos diferenciam dos demais canais educativos, nos inspiram e geram alianças produtivas como a que temos com o MIT (Massachusetts Institute of Technology) desde 2011. Pensando nos 46 milhões de telespectadores brasileiros que assistem regularmente ao Futura, sendo 2 milhões de educadores, exibimos as videoaulas do projeto Blossoms (Blended Learning Open Source Science or Math Studies), que relacionam conhecimentos abstratos da matemática, química, física, biologia e engenharia com o dia a dia.

Apresentamos 32 videoaulas, produzidas por educadores de diversos países, sobre biotecnologia, energia sustentável, inovações de engenharia e empreendedorismo, dentre outros temas de interesse universal. A receptividade do público foi constatada com o expressivo crescimento da audiência do site do projeto Blossoms, após a exibição na tela do Futura. O Brasil passou a ocupar o segundo lugar em número de acessos, atrás apenas dos Estados Unidos. Os cliques vieram das cinco regiões do país, acompanhados de contatos via e-mail. Prova irrefutável da qualidade dos vídeos e do interesse crescente dos brasileiros por temas relacionados à ciência e tecnologia.

Diante de um cenário tão promissor, estreitamos a parceria. A partir de novembro, outras 17 videoaulas do Blossoms irão ao ar, diariamente. Os desafios da vida contemporânea e a correlação com  as ciências da natureza continuam em pauta nesta nova temporada. Podemos destacar as aulas ministradas por pesquisadores do Instituto Broad do MIT e Harvard com três lições sobre desenvolvimento, tratamentos e novidades a respeito da pesquisa contra o câncer.

Além da exibição das aulas do Blossoms, a cooperação entre o Futura e o MIT evoluiu, alimentada pela interação transformadora de alunos e educadores com a programação. Estamos trabalhando, em paralelo, na produção de videoaulas por universidades parceiras do Canal. Atualmente, contamos com 37 instituições de ensino superior em nossa rede colaborativa, que funciona pela troca de conhecimento, produção jornalística e transmissão de conteúdos, via TVs universitárias e Futura. Esperamos ótimos resultados em breve!

Fruto de uma estrutura social viva, em constante construção e baseada na multiplicidade de conhecimentos e ideias, o Futura destaca-se como um agente integrador. Temos a missão de conectar realidades distintas, com o intuito de promover o desenvolvimento pessoal e comunitário. Assim como levamos videoaulas do MIT para a Sala Futura no interior da floresta tropical, mostramos ao público das grandes cidades as peculiaridades da cultura amazônica. Dessa forma, buscamos dar subsídios à sociedade para lutar pela igualdade de oportunidades a todos os cidadãos brasileiros.